Blog


Susy Ramos

Quando conheci o Dr. Luciano já estava na terceira e pior crise de hérnia de disco, eu não podia sentar e aguentava poucos minutos em pé. Tendo feito vários tratamentos durante meus quatro anos de convivência com a hérnia, naquele momento a cirurgia foi a melhor opção. E ele foi ótimo. Explicou todo o procedimento, falou dos riscos e manteve-se disponível desde a primeira consulta para esclarecer qualquer dúvida. Após a cirurgia eu já podia andar, sentar e não acreditava que a dor havia sumido. O acompanhamento prestado no pós-operatório pelo Dr. Luciano também é notável. Sua competência e conhecimento merecem destaques. Agradeço a ele e toda sua equipe, especialmente à Val, sua secretária, pela atenção e comprometimento.


Sergio I.Skarbnik

O meu nome é Sergio I. Skarbnik. Atualmente com 61 anos de ,1,80 de altura e 110 kilos. Em janeiro de 2015, as dores que eu senti esporadicamente nas costas, começaram a se intensificar e ponto de eu ter muita dificuldade de subir e descer escadas, andar mais do que 4 quarteirões subir ladeira no máximo duas quadras e o pior não conseguia ficar em pé por mais do que 30 minutos .A dor cada vez foi ficando mais intensa e para conseguir ficar fora da cama e poder trabalhar tive que começar a tomar medicamento a base cortisona. Nesta ocasião estava pesando 90 kilos e em 8 meses ganhei 10 kilos o que agravou as minhas dores. Tinha ido a dois médicos ortopedistas especializados em problema de coluna que me recomendaram fazer uma cirurgia corretiva .Eu tinha muito receio de fazer uma cirurgia delicada como essa, e tinha a experiência de 2 amigos que passaram por cirurgias de coluna e que tiveram um longo período de recuperação com muita fisioterapia, mas depois de um ano da cirurgia voltaram a sentir dores. Neste momento me indicaram o médico especializado em coluna vertebral Dr Luciano Miller Reis Rodrigues . Ele foi super atencioso ,me passou inúmeros exames, não foi precipitado em me fazer a cirurgia ,me explicou muito a técnica que iria fazer e só me colocaria uma placa ,se não tivesse outra opção. No final agosto de 2015 acabei fazendo a cirurgia de DESCOMPRESSAO MINIMAMENTE INVASIVA ,que foi um absoluto sucesso e não teve que ser colocada a placa. Hoje 1 de novembro de 2016 ,passados 14 meses da cirurgia e tendo ganho outros 10 kilos ( mas por meu desleixo com o meu peso, estou atualmente com 110 kilos mas vou fazer um regime e exercícios ) estou me sentindo muito bem sem nenhuma dor, que por sinal nunca mais senti nada nem na coluna e nem nas pernas .Depois de 30 dias de intensa fisioterapia pós cirúrgica, voltei a fazer longa caminhadas, pelo meu trabalho voltei a conseguir ficar o dia todo em pé sem nenhum problema. Quero registrar a minha muito bem sucedida experiência e o meu eterno agradecimento ao Dr Luciano Miller Rodrigues .


Quando procurar um especialista

Se você responder sim a qualquer uma destas questões, você deve procurar um especialista em coluna 1. A dor está se irradiando para a perna? Se, além disso, a dor é persistente e severa, é sinal de que algo está comprimindo uma raiz nervosa que emerge na coluna e distribui-se na perna. 2. A dor na perna piora se você tentar erguer o joelho até o tórax ou girar a cintura? Se isso acontece, há uma boa chance de você ter uma hérnia de disco. 3. Você teve dor forte nas costas após uma queda ou traumatismo recente? Uma queda pode lesionar sua coluna. As chances de lesão aumentam se você sofrer de osteoporose. 4. Você teve dor significativa nas costas com duração maior que 3 semanas? Muitas vezes a dor desaparece com tratamentos simples, entretanto, se a dor persistir, você deve procurar um especialista em coluna. 5. A dor nas costas piora quando você se deita ou lhe faz acordar durante a noite? Isto pode ser sinal de uma infecção ou outro problema, principalmente se, além disso, você tiver febre. 6. Você está com problemas para urinar ou evacuar que já duram algum tempo? Esse tipo de problema pode ter várias causas, mas algumas doenças da coluna podem provocar estas sintomas. 7. Você tem dormências ou fraqueza nas pernas quando caminha? Isso pode ser causado por um estreitamento do canal onde passam os nervos. Isso chama-se estenose espinhal. 8. Você tem menos que 20 anos ou mais que 55 anos e apresenta dor na coluna ? A dor nessa faixa etária pode estar associada com tumores, doenças reumáticas ou processos infecciosos, por isso vc deve procurar um especialista 9. Você está com dor cervical que irradia para membros superiores? Isso pode ser um quadro de hérnia de disco cervical ou outra patologia que comprime a raiz nervosa 10. Você está apresentando dificuldade  para  deambulção  e dor em membro inferior ? Isso pode ser um estreitamento do canal cervical ou lombar


Tratamentos Conservadores para Hérnia de Disco

A Hérnia de Disco pode causar uma das piores dores já sentidas, mas a cirurgia nem sempre é necessária para aliviar o desconforto. Há diversas maneiras de tratamento diponíveis que podem ajudar no alívio das dores de quem sofre com este problema, sem a necessidade de cirurgias mais agressivas. Tratamentos Conservadores para Hérnia de Disco Sempre o tratamento conservador para hérnia de disco dever ser realizado antes de se considerar a cirurgia. De tempos em tempos estes tratamentos podem auxiliar a amenizar os sintomas causados pela hérnia de disco, antes que os sintomas se intensifiquem. Os tratamentos nesta fase utilizam medicamentos, reabilitação e outras, que incluem: Compressas de gelo e calor aplicadas nas áreas afetadas. Alongamentos e exercícios de baixo impacto Modificação e atenção com a postura no dia-a-dia Uso ocasionais de cintas e coletes Acupuntura, fisioterapia e osteopatia Medicações analgésicas Aplicações peridurais com corticóide Opções de Cirurgias Se com o tempo os sintomas persistem, sem melhora com os tratamentos realizados, converse abertamente com o seu médico para saber as opções da cirurgia. Ao se falar de cirurgia deve ser ter atenção e não pensar que se trata de algo irrelevante e simples. Por mais que as técnicas tenham evoluído procure entender as opções, taxas de sucesso, tempo de recuperação, tipo de técnica, riscos, opção do seu médico por utilizar ou não implantes e evolução das opções cirurgicas apresentadas. Atualmente as técnicas de escolha para o tratamento de cirurgias de hérnia de disco, são menos invasivas, visando abordar a porção mais doente do disco, utilizando pequenas incisões, com uso de câmeras, microscópio ou endoscópio, preservando mais as estruturas ao redor que não são os causadores principais dos sintomas, visando que a reabilitação e recuperação sejam mais rápida. Para maiores esclarecimentos acesse nosso site www.colunar.com.br ou entre em contato pelo telefone 11-2122-4042.


Pilates Studio e Solo

Pilates Studio e Solo O Pilates é um método inovador que agrega os conceitos de reabilitação, condicionamento físico e promoção de saúde e bem-estar. Entre os mais importantes benefícios proporcionados pelo método estão: Melhora da força, resistência e flexibilidade muscular; Treinamento dos mecanismos estabilizadores da coluna vertebral e articulações periféricas; Aumento da consciência corporal e controle postural. Na Colunar, as aulas são ministradas por fisioterapeutas com ampla experiência no tratamento das doenças da coluna vertebral , capazes de avaliar e direcionar os objetivos para cada indivíduo. Os exercícios são realizados no solo com bolas, diversos acessórios e em aparelhos específicos desenvolvidos para prática de Pilates. Faça uma aula experimental e aproveite os benefícios do Pilates com segurança.


Meu médico indicou cirurgia para minha Hérnia de Disco, e agora o que eu faço?

1. Entenda o problema! Hoje em dia temos capacidade e conhecimento suficiente para podermos entender o que está acontecendo com a nossa saúde. Então o primeiro passo é realmente conversar com o seu médico, com calma, para saber o que está acontecendo e o que vem a ser o seu problema de saúde. A hérnia de disco, ocorre quando uma parte do disco, um amortecedor que fica entre os ossos da nossa coluna, sai da sua posição normal, e vai comprimir os nervos causando dor. 2. Você já fez o tratamento clínico, bem feito? Muitas pessoas nos dias de hoje, sofrem com hérnia de disco. A imensa maioria não necessita de tratamento cirúrgico. Podem melhorar com o tratamento clínico com medicamentos adequados e reabilitação bem feita. Você já fez de maneira bem feita esta parte do tratamento? Apenas poucas pessoas, acabam não melhorando com o tratamento, e os sintomas pioram, acompanhados de dor intensa e às vezes com problemas neurológicos. Nestes casos a cirurgia pode estar indicada, quando houver uma correlação exata do que você esteja sentindo com o que aparece no exame, pois nem todas as hérnias que aparecem no exame necessitam de cirurgia. 3. Existe mais alguma opção antes da cirurgia? A próxima opção quando as dores não estão melhorando com medicamentos e fisioterapia, ou para confirmar com mais precisão, se o que você vem sentindo, está vindo exatamente de um determinado local, pode-se utilizar os procedimentos intervencionistas para dor. São aplicações de medicamentos, guiados por exames de raio X ou tomografia, para garantir que o local da injeção esteja sendo aplicada exatamente, onde a alteração foi identificada nos exames. Desta forma pode-se obter a melhora da dor e ainda ser mais uma confirmação que a dor está vindo daquele local. 4. Tenho que por pino ou implante? Não, para tratar hérnia de disco, a cirurgia que deve ser realizada é apenas a retirada da hérnia de disco, ou seja, apenas retirar a parte que está comprimindo o nervo e causando a dor. Casos que necessitam implantes não são para hérnia de disco, mas existem outros problemas associados. Na duvida busque uma outra opinião médica. 5. Quando devo passar por uma segunda opinião? Segunda, terceira ou mais opiniões devem ser buscadas quando não houver esclarecimento das duvidas, ou falta de empatia e estabelecimento de uma boa confiança entre o médico e o paciente. Confiança para realização de...


A Doença do “Sentar”

O fato de ficar sentado a maior parte do dia está associado com diversos efeitos danosos para nossa saúde. Pode vir a causar ou piorar problemas de saúde, inclusive da coluna. Estudos demonstram que em média ficamos 7.7 horas por dia sentados. Este fato pode facilitar a ocorrência de diabetes, doenças cardíacas, câncer, obesidade, depressão e morte precoce. Pessoas que ficam sentadas por longos periodos, tem mais risco de causar lesões na coluna. A pressão nos disco é maior quando se está sentado quando comparado a pressão em pé. Ao estar em pé, nos movimentamos e gastamos muito mais calorias e contrações musculares do que quando estamos sentados. Um estudo que avaliou a mortalidade em mulheres, identificou que aquelas que passam mais de 6 horas sentadas por dia, tem 94% maior possibilidade de morrer precocemente. Atualmente muitos locais nos EUA, estão optando por estações de trabalho em pé, para alterar a postura no trabalho, referindo aumentar a produtividade e a qualidade de vida de seus colaboradores. Ao ficar em pé contrai-se muito mais os músculos do abdome da coluna chamados de core, que são responsáveis em estabilizar a coluna. Alterne mais entre sentar e ficar em pé. Passe gradualmente a ficar mais tempo na posição em pé, para que a musculatura vá se acostumando. Ajuste alarmes para lembrar de levantar ao longo do dia. Se precisar ficar sentado, lembre de manter uma boa postura, e ajustes corretos no seu computador. Você estará melhorando a saúde da sua coluna, e ganhando mais anos de vida… Caso queira mais informações acesse: www.colunar.com.br e www.juststand.org


Hérnia de disco tem diversos mecanismos e deve ser avaliada pela intensidade da dor que causa

Você sabia que nem toda a hérnia de disco dói e que a intensidade da dor independente de seu tamanho? A Hérnia de Disco, é uma das doenças que mais causam a dor nas costas e mais afastam do trabalho. Entretanto, é preciso esclarecer que nem todas as pessoas sofrem de dor pelo problema, já que a doença tem diversas variações e a dor é responsável por comprometer a qualidade de vida dos seus portadores, com limitação de atividades simples do dia-a-dia. Caracterizada pelo desgaste ou trauma dos discos vertebrais que acabam por comprimir os nervos da coluna, a hérnia de disco pode ser classificada como protusa, extrusa ou sequestrada. Sua ocorrência, embora relacionada ao desgaste do disco vertebral, não acomete necessariamente pessoas mais velhas. Além de fatores genéticos, atividades físicas intensas praticadas por atletas ou simples esportistas de finais de semana, também podem favorecer o acometimento pelo problema. Para entender melhor os mecanismos de cada tipo de hérnia de disco, é preciso saber que o disco intervertebral age como um amortecedor entre os ossos da coluna. Ele é formado por uma camada externa de cartilagem mais resistente que envolve o centro formado por uma cartilagem mais macia. De acordo com o ortopedista especialista em cirurgia de coluna e um dos diretores da Clínica Colunar, dr. Rodrigo Junqueira Nicolau, “podemos pensar no disco como um hambúrguer que fica encaixado perfeitamente entre dois pães, que seriam as vértebras”. Segundo o médico, um disco protuso, mais comumente encontrado, é aquele que sai da sua posição normal indo além do que deveria ser os seus limites. “É um hamburguer que é um pouco maior que o seu pão. A parte que está fora do limite do pão seria a protusão”, explica, acrescentando que “a protusão é uma condição comum de ser encontrada e pode fazer parte do processo normal de envelhecimento, sendo encontrada praticamente em todas as faixas etárias dos adultos”. A hérnia de disco extrusa, por outro lado, ocorre quando há uma ruptura na camada mais rígida e externa do disco, possibilitando que alguma porção da parte de cartilagem mais interna e mais macia vá para fora do disco. Geralmente a saída deste material ocorre em um ponto mais localizado do disco e não de forma ampla, como na protusão. Dr. Rodrigo diz que quanto mais a parte interna do disco desprende e perde o contato com o disco, alteração chamada...


A relação entre dores nas costas e vida sexual.

A relação entre dores nas costas e uma vida sexual sempre foi uma questão pouco discutida. Um estudo, publicado no Jornal Neurosurgery Spine, focou a interferência da hérnia de disco na qualidade de vida sexual das pessoas. Os resultados são interessantes. A pesquisa analisou 43 pessoas com média de idade de 41 anos, entre homens e mulheres, com o objetivo de avaliar as atividades sexuais dos portadores de hérnia de disco antes e depois de passarem por cirurgia. O resultado mostrou que 55% dos homens e 84% das mulheres disseram ter problemas sexuais após o aparecimento da dor motivada pela hérnia. A disfunção mais citada foi a diminuição do desejo sexual, tanto pelos homens, quanto pelas mulheres. Os integrantes do sexo masculino também se queixaram de ejaculação precoce e disfunção erétil (18%). Após o tratamento, a pesquisa apontou que a frequência de relações sexuais no grupo analisado era 78% menor antes da cirurgia, quando comparado ao período em que os pacientes disseram estar sem dor. Como profissional, posso dizer que o estudo mostra não só a interferência do problema no cotidiano dos indivíduos, mas também a necessidade de atenção e tratamento adequado. A conclusão do trabalho mostra que os pacientes não são analisados em seu contexto geral e suas queixas paralelas ao quadro da dor acabam ficando em segundo plano, quando na verdade são componentes de grande importância. Tratamento Felizmente, esse problema é passível de solução, por meio de tratamento multidisciplinar, com medicamentos, fisioterapia e, em situações mais complicadas, cirurgia. No caso do procedimento cirúrgico, a tendência atual é optar por uma nova técnica minimamente invasiva, baseada na videoeondoscopia, consagrada em países como os Estados Unidos, Ásia e Europa, e vem sendo aplicada com bastante sucesso também no Brasil. Um desses novos métodos é baseado em um corte mínimo, de cerca de um centímetro, podendo ser realizado, em alguns casos, com anestesia local. O procedimento é simples, tanto que o paciente pode receber alta geralmente no mesmo dia e sair andando do hospital. O uso de técnicas tradicionais associado à colocação de implantes deve ser analisado com cuidado e utilizado apenas em casos extremos associados a instabilidades intensas. Mais duvidas entre em contato conosco contato@colunar.com.br.


10 dicas para proteger sua coluna

1 – Sempre mantenha as curvas naturais de sua coluna As curvas da coluna são importante para manter a estrutura de sua coluna e são responsáveis para evitar lesões em sua coluna durante a atividade esportiva 2 – Quando for levantar flexione quadril e joelhos Nunca ao levantar peso faça mais força na sua coluna do que em suas pernas. Para fazer isso flexione seus quadris e joelhos, também afaste seus pés que deixará a sua coluna mais equilibrada e protegida 3 – Sempre realize a contração do seu abdômen ao levantar peso Isso ajudará a estabilizar a sua coluna quando for levantar peso 4 – Nunca carregue mais peso do que você suporte Conheça o seus limites. Muitas lesões ocorrem quando passamos do nosso limite 5 – Durante a leitura mantenha a sua coluna cervical reta Tenha cuidado no posicionamento da tela de computador, uma posição inadequada da coluna por muito tempo pode causar dor. 6 – mantenha os objetos perto de você Ao pegarmos um objeto a pressão em sua coluna pode aumentar 10 vezes quanto mais distanciamos do nosso corpo 7 – Ao pegar um objeto nunca torça a coluna O seu dedo do pé sempre tem que estar alinhado com o seu nariz ao pegar transportar qualquer peso 8 – Quando sentar apoie sempre sua coluna Sempre que possível evite sentar sem apoio em suas costas fletindo a sua coluna 9 – Mude de posição frequentemente Evite ficar sentado ou em pé por longos períodos. 10 – Faça sempre atividades fisícas Mantenha a suas atividades físicas em dia. Faça rotineiramente exercícios físicos de fortalecimento e alongamento e manteha o seu peso.


Página 1 de 612345...Última »